ChatGPT e outras IAs podem automatizar diferentes profissões (Imagem: Unsplash/Windows)

A empresa criadora do ChatGPT, a OpenAI, realizou um estudo que mapeou quais são as profissões mais expostas à inteligência artificial. O Tilt, do Uol teve acesso ao documento.

Para o estudo, os pesquisadores consideraram quais são as características que chatbots com inteligência artificial possuem. A partir disto, foi analisado o equivalente à Classificação Brasileira de Ocupações (CBO) norte-americano, o O*Net, e listadas as atribuições de diversas profissões.

Com estes dados reunidos, o estudo analisou quais atividades poderiam ser feitas com inteligência artificial, de maneira a identificar quais tem mais ou menos exposição à tecnologia. Quanto maior a exposição, maior a chance de automatização da profissão.

Segundo os pesquisadores que conduziram o estudo, esse conceito tem relação com tarefas em que o ChatGPT consegue reduzir o tempo gasto por humanos para realização de uma tarefa em pelo menos 50%.

  • Entre para o Telegram do .! Acesse as notícias que enriquecem seu dia em tempo real, do mercado econômico e de investimentos aos temas relevantes do Brasil e do mundo. Clique aqui e faça parte!

As ocupações ligadas a programação e escrita são mais suscetíveis de automatização, conforme o estudo. Confira a exposição das profissões, segundo divulgado pelo Tilt:

  • 100% de exposição: jornalistas, contabilistas e auditores, assistentes administrativos e secretários jurídicos;
  • Entre 90% e 100% de exposição: engenheiros de blockchain, secretários de correspondência, taquígrafos e legendadores;
  • Menor que 90%: intérpretes e tradutores, escritores, relações públicas e pesquisadores de mercado.

Trabalhos manuais estão entre os menos expostos às inteligências artificiais como o ChatGPT, sendo o caso de operadores de máquinas agrícolas, lavadores de louça, mecânicos, entre outros.

O risco do ChatGPT e outras IAs é real?

O avanço da tecnologia levanta frequentemente questões sobre os riscos gerados para o mercado de trabalho e se as carreiras serão realmente substituídas por máquinas.

Christopher Pissarides, economista vencedor do Prêmio Nobel de 2010 e professor da London School of Economics, acredita que este cenário não deve acontecer. Para Pissarides, existe uma possibilidade de se adaptar com rapidez suficiente aos chatbots apoiados pela IA, como o ChatGPT.

Durante uma conferência em Glasgow, o economista disse que está muito otimista de que, com os avanços tecnológicos, será possível aumentar a produtividade no mercado. Para Pissarides, a tecnologia pode eliminar muitas “coisas chatas” do trabalho, deixando apenas as coisas interessantes para os seres humanos fazerem.

Para o vencedor do Prêmio Nobel, a transição para os trabalhadores será menos dolorosa com a adoção mais lenta pelas empresas, apesar de a tecnologia se mover rapidamente.

Pissarides também destacou que, com as IAs, seria possível aumentar o bem-estar geral no trabalho e ter mais lazer. Para ele, com o ChatGPT, seria possível adotar facilmente uma semana de quatro dias.

* Com Janaina de Camargo



Fonte