A OpenAI proibiu o acesso do ChatGPT na Itália por ordem de agência, depois que a Garante iniciou na semana passada uma investigação sobre suspeita de violação de regras de privacidade (Imagem: Pixabay/AndreZan)

A OpenAI, criadora do ChatGPT, planeja apresentar algumas medidas nesta quinta-feira (6) a fim de mitigar riscos e dúvidas levantadas pela Garante, a agência de proteção de dados da Itália, conforme ela mesma comunicou à imprensa.

A OpenAI, fundada por Sam Altman, proibiu o acesso do ChatGPT na Itália por ordem da agência, depois que a Garante iniciou na semana passada uma investigação sobre suspeita de violação de regras de privacidade pelo chatbot.

As acusações contra a criadora do ChatGPT foram de não verificar a idade dos usuários e não ter “qualquer base legal que justifique a coleta e armazenamento massivo de dados pessoais”.

  • Entre para o Telegram do .! Acesse as notícias que enriquecem seu dia em tempo real, do mercado econômico e de investimentos aos temas relevantes do Brasil e do mundo. 

Próximos passos do ChatGPT na Itália

Nesta quinta-feira, a Garante disse que não tem intenção de impedir qualquer avanço no campo da inteligência artificial, mas comentou sobre a importância do respeito às regras destinadas a proteger dados pessoais dos italianos e europeus.

Foi determinada pela agência no dia 4 de abril uma videoconferência com representantes da startup. A vídeo-chamada foi realizada na quarta-feira (5) com a presença do seu presidente-executivo, Sam Altman.

“A iniciativa da vídeo chamada, que a SA italiana acolhe, vem na sequência da carta de resposta enviada ontem pela empresa norte-americana para assinalar a sua vontade de colaborar prontamente com a Autoridade Italiana para cumprir os regulamentos europeus de privacidade e alcançar uma solução partilhada que possa ultrapassar o criticidades que a SA italiana apontou em relação ao processamento de dados de usuários italianos”, disse a Garante em comunicado à imprensa.

Na vídeo chamada, a OpenAI prometeu ser mais transparente sobre a maneira como lida com os dados dos usuários e verificar a idade do usuário, disse a Garante.

A empresa disse que enviará nesta quinta-feira à agência italiana um documento sobre as medidas que pretende tomar para responder às preocupações das autoridades.

*Com Reuters



Fonte