Hoje, pode parecer que a soma de todo o conhecimento humano está a apenas uma pesquisa na internet. Mas até recentemente, algumas das evidências mais importantes de uma das cidades medievais mais vibrantes da África estavam ausentes da web.

Localizada na nação do Mali, na África Ocidental, o nome Timbuktu passou a incorporar a ideia de um lugar distante, mas esta cidade já foi famosa como um centro de aprendizado, religião e comércio. Hoje ainda é conhecida por suas imponentes mesquitas de barro e pelas centenas de milhares de manuscritos acadêmicos mantidos em coleções públicas e privadas.

Esses manuscritos tiveram um passado turbulento, ameaçado por rebeldes islâmicos e com perdas irrevogáveis. Agora, graças a residentes locais e acadêmicos globais, mais de 40.000 páginas dos séculos 11 ao 20 foram preservadas para sempre no portal “Mali Magic” do Google Arts and Culture – um compêndio de artefatos digitalizados, muitos dos quais nunca foram publicamente disponiblizados antes.

Nos anos 1300, Timbuktu era conhecida pela Mesquita Djinguereber e pela Universidade de Sankoré, ambos importantes centros de aprendizado. Nos anos 1500, Timbuktu experimentou uma idade de ouro de riqueza e comércio, e estudiosos de todas as esferas da vida e de todo o mundo convergiram para a cidade para trocar conhecimento e sabedoria.

Manuscrito de Timbuktu que contém mapas astrológicos / Savama-DCI/Google Arts & Culture

Os estudiosos produziram um grande número de manuscritos, cobrindo tópicos que vão da filosofia à economia, da medicina à agricultura, da astronomia à matemática e à religião. Além de revelar como os pensadores interpretaram o meio político e social, eles também descrevem a vida cotidiana, como as doenças eram tratadas e como o comércio acontecia – abrangendo até conselhos de quarto e magia negra.

Os manuscritos são “maravilhosos e transformadores”, diz Mohamed Shahid Mathee, professor sênior do departamento de estudos religiosos da Universidade de Joanesburgo, África do Sul, que estuda os documentos há mais de duas décadas. “O acesso a eles desmascara reivindicações anteriores da história africana como simplesmente oral e religiosa, mas afirma que a África tem uma tradição intelectual escrita.”

Necessidade de digitalização

Homem recupera documentos antigos no Centro Ahmed Baba para Documentação e Pesquisaem Timbuktu, em 29 de janeiro de 2013 / AFP via Getty Images

A história recente motivou a iniciativa. Em 2012 e 2013, o conflito no Mali pôs em perigo os manuscritos de Timbuktu. Na época, pensava-se que centenas de milhares de documentos haviam sido destruídos por fundamentalistas islâmicos, mas um esforço coordenado tirou a grande maioria dos manuscritos da linha de fogo e acredita-se que apenas alguns milhares foram queimados.

Abdel Kader Haidara, que apareceu no livro “The Bad-Ass Librarians of Timbuktu”, foi fundamental para o esforço de resgate. Haidara herdou manuscritos de seu pai, cuja biblioteca pessoal se tornou uma das primeiras bibliotecas públicas de Timbuktu.

Haidara e outros bibliotecários contrabandearam cerca de 350.000 manuscritos a mais de 965 quilômetros de Timbuktu até a capital do Mali, Bamako, onde os distribuiu em 27 casas por segurança.

Com o tempo, a maioria desses documentos foi devolvida a Timbuktu, e hoje mais de 30.000 manuscritos foram fotocopiados e estão guardados com segurança em mais de 30 bibliotecas da cidade. Haidara ainda protege esses preciosos textos, passando a maior parte de seus dias como indexador – um trabalho que exige que ele leia os manuscritos antes de resumir seu conteúdo. Mas determinado a nunca ver o patrimônio nacional do país perdido para sempre, em 2014 ele entrou em contato com o Google.

Eu recorri ao Google para digitalização porque quero registrar esse legado que temos na África Ocidental. Esse legado que é passado de cientistas, imperadores e filósofos é de extrema importância para salvaguardar.

Abdel Kader Haidara

Os manuscritos são indicativos do passado cosmopolita de Timbuktu. Eles são feitos de uma variedade de materiais, desde peles de animais até papel italiano e escritos em uma bela caligrafia árabe. E devido à sua idade, eles são delicados.

“Como regra, os manuscritos nunca são retirados do Mali”, diz Mathee, e assim Haidara e uma equipe de arquivistas do Mali foram encarregados de digitalizá-los. O Google enviou equipamentos, incluindo um scanner de alta resolução com uma câmera montada da Europa, e a digitalização e indexação das dezenas de milhares de páginas levou oito anos para ser concluída pela equipe de Haidara.

Google convocou artistas do Mali para o projeto, incluindo ilustrações de Passion Paris / Passion Paris/Google Arts & Culture

“Esta é a primeira vez que o Google Arts and Culture faz algo dessa escala em relação a manuscritos antigos e os disponibiliza publicamente na plataforma do Google”, disse Amit Sood, diretor do Google Arts and Culture, à CNN.

Estudiosos, artistas e mentes curiosas podem agora experimentar o tesouro e ler histórias dos manuscritos que foram traduzidos para inglês, árabe, espanhol e francês (por exemplo, uma visão reveladora dos direitos da criança do século 19, detalhando o direito de uma criança à educação). Há também material suplementar, incluindo modelos de vista de rua em 3D de locais de patrimônio do Mali, como a Grande Mesquita de Djenné, um Patrimônio Mundial da UNESCO, além de ilustrações e músicas de acompanhamento da indicada ao Grammy, Fatoumata Diawara.

Haidara espera que, além de preservar os documentos, torná-los mais acessíveis, mantenha sua história viva.

Quando os manuscritos não são lidos, eles não têm propósito. Queremos aproveitar esta oportunidade e extrair alguns desses manuscritos para traduzi-los e publicá-los ao público.

Abdel Kader Haidara

Ao divulgar a rica história cultural de Timbuktu, há outros benefícios possíveis para o país.

“Para muitas pessoas, Mali pode não estar no topo do seu itinerário”, diz Sood, “mas depois de visitar essas páginas, você pode mudar de ideia”.



Fonte