A história do Brasil é cheia de nomes conhecidos, mas algumas personalidades que marcaram a independência do país são esquecidas. Uma delas é um controverso almirante escocês, o lorde Thomas Cochrane.

Ele chegou em solos brasileiros há exatos 200 anos e atuou com força no Norte e Nordeste do país ajudou, além de estruturar a marinha brasileira. Fora do Brasil, o escocês chegou a ser parlamentar e até a supostemente fraudar a bolsa de valores inglesa.

Para uns, lorde Thomes Cochrane é herói, para outros, um vilão.

Cochrane desembarcou no Rio de Janeiro em março de 1983 após ser contratado por Dom Pedro 1º para enfrentar a resistência armada dos portugueses à independência do Brasil. A experiência do comandante foi decisiva, especialmente na Bahia.

Apesar dos feitos, o lorde Cochrane é tido como uma figura controversa da história. Em algumas publicações, ele chega a ser acusado de ter sido um pirata.

Revelar quem realmente foi o almirante se tornou uma missão para o escritor George Ermakoff, que escreveu uma biografia com suas aventuras e polêmicas.

“A vida dele é um livro de aventuras. Uma pessoa que lê o livro de Lorde Cochrane pensa que aquilo é um livro de aventuras, talvez um livro de ficção. Mas não é, é um livro de não-ficção. Desde jovem, Cochrane se engajou na marinha britânica, virou herói nas guerras napoleônicas e fazia miséria em batalha. Ee ficou conhecido no mundo inteiro, as notícias dos êxitos dele saíam nos jornais da época e todo mundo sabia o que ele fazia, inclusive os próprios britânicos”, conta.

Além da passagem pelo Brasil, ao longo do capítulos descobrimos como o jovem de família nobre, porém falida, foi parar na marinha britânica e se tornou herói das guerra napoleônicas, virou parlamentar, chegou a ser preso e ficou famoso.

“Ele ficou com tanta fama que resolveu entrar na a seara da política. Ele resolveu se candidatar a deputado e causou muita irritação no governo propriamente dito porque fazia críticas muito ácidas no plenário da câmara, criticava o governo de forma continuada. Ele tinha convicção do que ele estava fazendo então ele prosseguia naquilo mesmo sabendo que ele estava arranjando muitos inimigos”, diz Ermakoff.

Cochrane foi o 10º conde Dundonald, que é um título da Escócia, que depois anos está em poder do 15º conde.

O economista George Ermakoff conta mais da história do almirante no livro “Lorde Thomas Cochrane:um Guerreiro Escoces A Serviço Da Independencia Do Brasil”.



Fonte