A instituição Ampara Animal manifestou indignação contra o crime mostrado em um vídeo que começou a circular no último fim de semana. Nele, aparecem duas onças-pintadas com a cabeça decapitada e um filhote amarrado (e vivo) ao lado. 

Nos comentários, pessoas indicaram que o crime teria sido cometido na região de Acorizal (MT). A Delegacia Especializada do Meio Ambiente de Mato Grosso (DEMA) abriu inquérito para investigar o possível crime ocorrido no interior do Estado.

Delegacia Especializada do Meio Ambiente de Mato Grosso abriu inquérito para investigar possível crime (Foto: Reprodução)

Conforme a Polícia Civil, até o momento, não há nenhum registro sobre a morte de animais silvestres e sequer confirmação de imagens foram feitas em Mato Grosso.

O Ministério Público Estadual (MPE) foi procurado e informou que ainda não recebeu denúncia sobre o caso.

“Estamos perplexos e horrorizados com tamanha crueldade, desumanidade, violência e malignidade contra os animais”, diz um trecho da nota da Ampara Animal. ​A instituição declarou ainda a necessidade de leis mais severas para punir a prática criminosa.

“Precisamos, urgentemente, pressionar por leis mais severas, que não permitam que tal atrocidade saia impune! Esses assassinos, mesmo que pegos, não passarão nem mesmo um dia na cadeia, pois hoje, a pena para este crime é de seis meses a um ano”, continua a nota.

É preciso lembrar: matar, perseguir, caçar, apanhar, utilizar espécimes da fauna silvestre, nativos ou em rota migratória, sem a devida permissão, licença ou autorização da autoridade competente, ou em desacordo com a obtida é crime e pode chegar a pena de seis meses a um ano, além de multa.

Fonte: Gazeta Digital, adaptado pela equipe Cães&Gatos.

LEIA TAMBÉM:

Projeto de lei propõe incluir gastos veterinários no imposto de renda para pessoa física

Onça-parda resgatada no Paraná recebe cuidados veterinários e é solta na mata 

Profissional explica como a alopecia pós-tosa pode afetar os animais de estimação





Fonte