Um famoso retrato do primeiro-ministro britânico na era da Segunda Guerra Mundial, Winston Churchill, foi roubado de um hotel de Ottawa, no Canadá, e substituído por uma cópia sem que os funcionários percebessem por meses.

Após oito meses, os funcionários do Fairmont Chateau Laurier Hotel perceberam que a fotografia, que pode valer mais de US$ 100.000, havia sido trocada, informou a CTV, afiliada da CNN.

“Estamos profundamente entristecidos por este ato descarado”, escreveu a gerente geral do hotel, Geneviève Dumas, em um post no Facebook. “O hotel está incrivelmente orgulhoso de abrigar esta impressionante coleção Karsh, que foi instalada com segurança em 1998”.

O retrato, criado pelo fotógrafo canadense Yousuf Karsh em 1941, é “uma das imagens mais reproduzidas na história da fotografia”, segundo o site de Karsh. Em 2016, a foto se tornou o rosto da nota de cinco libras do Banco da Inglaterra.

O original ficou pendurado no Chateau Laurier Hotel até uma data que as autoridades acreditam ter ocorrido entre 25 de dezembro de 2021 e 6 de janeiro de 2022, disse a gerente geral do hotel, Geneviève Dumas, à CTV.

No fim de semana passado, os funcionários do hotel notaram que a fotografia estava pendurada de forma inadequada e a moldura não combinava com as outras no espaço, informou a CTV. Funcionários do hotel então usaram fotos enviadas pelo público para ajudar a estabelecer quando o retrato e a moldura originais foram trocados.

O diretor de marketing do Chateau Laurier Hotel disse à CNN que uma investigação sobre o desaparecimento do retrato está em andamento.

O roubo provavelmente foi um “trabalho interno”, disse Robert Wittman, ex-investigador de crimes de arte do FBI, à CTV.

“Então, geralmente, quando ocorre uma situação como essa, não é um furto, não é apenas um roubo; é alguém de dentro que teve acesso, que sabia o que estava procurando, sabia quais eram as medidas de segurança que estavam protegendo a peça e que (eles) foram capazes de derrotar essas medidas porque tinham informações privilegiadas”, disse Wittman à CTV.

A amada fotografia em preto e branco captura Churchill momentos depois de Karsh arrancar um charuto da boca do primeiro-ministro para tirar a foto.

“Quando voltei para minha câmera, ele parecia tão beligerante que poderia ter me devorado. Foi nesse instante que tirei a fotografia”, escreveu Karsh sobre a fotografia. “Eu sabia depois que a tirei que era uma foto importante, mas dificilmente poderia sonhar que se tornaria uma das imagens mais reproduzidas na história da fotografia”.

O fotógrafo morou no hotel, de onde administrou seu estúdio por duas décadas, de acordo com sua propriedade, e quando se mudou, Karsh deixou no hotel uma coleção de suas fotografias – incluindo a de Churchill.

“Sua associação com o hotel foi muito profunda e calorosa”, disse Jerry Fielder, diretor do espólio de Karsh, à CTV. “Esta foi uma impressão muito especial para ele, e foi uma impressão muito bonita. Portanto, tem um significado muito especial”.

O Fairmont Château Laurier pediu que qualquer pessoa com informações sobre a fotografia roubada entre em contato imediatamente com as autoridades locais.



Fonte