O SK Group, que controla a SK Hynix, planeja investir 15 bilhões de dólares no setor de chips dos EUA (Imagem: REUTERS/Lee Jae-Won/Arquivo)

Os critérios para novos subsídios de semicondutores dos Estados Unidos estão preocupando empresas como Samsung e SK Hynix, disse o presidente sul-coreano, Yoon Suk Yeol, nesta quinta-feira, uma preocupação compartilhada pela maior fabricante de chips terceirizada do mundo em Taiwan.

As condições incluem compartilhar o excesso de lucro com o governo norte-americano, e três fontes do setor disseram que o próprio processo de inscrição pode expor estratégias corporativas confidenciais.

Yoon se encontrou com a representante comercial dos EUA, Katherine Tai, em Seul, e pediu ao governo norte-americano que considere a preocupação das empresas sobre um “nível excessivo de informações fornecidas”, disse o gabinete presidencial.

Os subsídios viriam de um pacote de 52 bilhões de dólares em fundos de pesquisa e fabricação destinados à chamada Lei Chips (sigla em inglês para Criando Incentivos Favoráveis para a Produção de Semicondutores), para a qual o Departamento de Comércio dos EUA anunciou guias e modelos neste mês.

O SK Group, que controla a SK Hynix, planeja investir 15 bilhões de dólares no setor de chips dos EUA, inclusive para construir uma fábrica avançada de embalagens de chips, e disse que está considerando solicitar financiamento.

A Samsung está construindo uma fábrica de chips no Texas que pode custar mais de 25 bilhões de dólares e disse que está revisando as diretrizes.

No entanto, os pedidos de financiamento podem exigir informações detalhadas sobre a estrutura de custos, bem como os rendimentos projetados de wafers de chip, taxas de utilização e mudanças de preço, que três fontes coreanas do setor de chips disseram à Reuters ser semelhante a revelar a estratégia corporativa da empresa.

“Tudo isso é informação confidencial. O mais importante dos chips é a estrutura de custos. Os especialistas serão capazes de identificar nossa estratégia de relance”, disse uma das fontes, que pediu para não ser identificada devido à sensibilidade do assunto.

Falando em um evento do setor em Taiwan, o presidente do Conselho de Administração da TSMC, a maior fabricante de chips terceirizada do mundo, disse que também tinha preocupações.

“Ainda estamos discutindo com eles. Existem algumas condições que não podem ser aceitas. Esperamos que possam ser ajustadas para que não haja efeito negativo. Continuaremos conversando com o governo dos EUA”, disse Mark Liu a repórteres.

A TSMC está investindo 40 bilhões de dólares em uma nova fábrica no Estado norte-americano do Arizona.



Fonte