Quando os detentos chegam à Penitenciária dos Estados Unidos em Florence, no Colorado, fica imediatamente claro: ADX Florence, a prisão de segurança máxima mais segura do país, foi construída para isolá-los do mundo.

E lá Joaquín “El Chapo” Guzmán, um dos narcotraficantes mais procurados do México por muitos anos, paga sua sentença.

Conhecida como a “Alcatraz das Montanhas Rochosas”, ADX Florence ou “Supermax” (por ser uma das prisões de máxima segurança) é o local onde chegaram os criminosos condenados mais temidos dos Estados Unidos.

O espaço é construído para o pior do pior no sistema prisional, incluindo os presos mais violentos e terroristas condenados. Muitos dos mais de 400 presos passam até 23 horas por dia sozinhos em celas de concreto à prova de som medindo 2 por 3 metros.

Um ex-diretor da ADX disse uma vez à CNN que a prisão lá é “muito pior do que a morte”.

Este é um olhar sobre a prisão de segurança máxima onde “El Chapo” e outros criminosos estão detidos.

Uma fortaleza no meio das montanhas

Na ADX, patrulhas fortemente armadas percorrem o amplo complexo. Uma dúzia de imponentes torres de artilharia erguem-se acima de prédios de tijolos. Paredes cobertas com arame farpado bloqueiam parcialmente as montanhas cobertas de neve.

“Assim que eles entram pela porta … você vê isso em seus rostos”, disse Robert Hood, que atuou como diretor da ADX de 2002 a 2005. “É quando realmente bate em você. Você está olhando para a beleza das Montanhas Rochosas ao fundo. Quando você entrar, será a última vez que a verá”.

Supermax é a vida após a morte. É de longo prazo (…) Na minha opinião, é muito pior do que a morte

Robert Hood, ex-diretor da ADX

As refeições deslizam por pequenos buracos nas portas. A cama é uma laje de concreto revestida com um colchão fino e cobertores.

Uma única janela de cerca de 106 centímetros de altura por 10 de largura permite a entrada de alguma luz natural, mas é feita de forma que os presos não possam ver além do prédio. As celas têm bancos e carteiras imóveis de concreto. Paredes sólidas impedem que os internos vejam outras celas ou tenham contato direto com outros internos.

“A arquitetura do prédio é o controle”, disse Hood.

“Ela está projetada para que os presos não possam ver o céu. Intencionalmente. Colocam cabos para que os helicópteros não possam aterrar”, acrescentou.

Os presos têm pouco contato fora dos guardas e funcionários da prisão. Eles devem usar grilhões nas pernas, algemas e correntes na cintura quando retirados de suas celas e devem ser escoltados por guardas.

Uma hora de recreação é permitida em uma jaula ao ar livre ligeiramente maior que as celas da prisão. Dentro da jaula, apenas o céu é visível.

(Com informações de Ray Sanchez, Alexandra Field, Drew Griffin, James Polk, da CNN)



Fonte