Dan Tuckley, de 46 anos e natural do Reino Unido, escolheu optar pela eutanásia em uma clínica em Basel, na Suíça, após ter sido diagnosticado com câncer intratável. Para isso, ele pagou cerca de R$ 120 mil para ir até a cidade e para custear o procedimento, já que a morte assistida é ilegal em seu país de origem.

Tuckley decidiu que chegou o momento de descansar após se tornar incapaz de se alimentar e hidratar. Durante esse período, seu cônjuge e outros parentes íntimos o acompanharam em seu leito de morte. Em seu derradeiro instante, ele passou um tempo precioso com seus entes queridos vestindo seu terno predileto enquanto ouvia “My Way” de Frank Sinatra.

Acompanhando-o ao longo dos últimos 20 anos como sua esposa e companheira, Sarah, de 45 anos, esteve presente durante o procedimento. Ela expressou ao “The Mirror” que Dan não merecia ter suportado tanto estresse e medo em seus últimos dias. Se tivesse sido concedida a morte assistida em sua residência, ele poderia ter se despedido de todas as pessoas que amava e ter migrado deste mundo em seu país e em seus próprios termos. Sua morte deveria ter sido permitida em suas próprias condições.

Em agosto de 2022, Dan recebeu um diagnóstico raro de câncer renal e sua expectativa de vida diminuiu drasticamente, passando de um ano para algumas semanas. Ele decidiu que queria encarar a doença de frente e “sair de pé”, contando com o apoio da esposa e de seus entes queridos. Todos concordaram sem hesitar, a fim de assegurar que o câncer não fosse o responsável por tirar a vida de Dan. A irmã de Dan, Kate, de 38 anos, relatou que ver um ente querido tão doente é algo terrível. As informações foram divulgadas pelo portal “The Mirror”.