Um objeto de madeira de quase 2.000 anos em formato fálico poderia ter servido como ferramenta sexual para os antigos romanos no Reino Unido, de acordo com um novo estudo.

O artefato foi desenterrado em 1992 em uma vala no Forte Romano de Vindolanda, perto da Muralha de Adriano, que outrora marcava a fronteira Noroeste do Império Romano, no Norte da Inglaterra. Os pesquisadores inicialmente registraram o objeto como sendo uma ferramenta de tecelagem, de acordo com o estudo publicado na revista Antiquity no domingo (19).

Essa identificação incorreta foi o resultado da ferramenta ser encontrada ao lado de dezenas de sapatos e acessórios de vestuário, e outras pequenas ferramentas e produtos de resíduos artesanais, de acordo com um comunicado à imprensa.

No entanto, os pesquisadores reinterpretaram o artefato como um falo desencarnado e, examinando-o de perto, delinearam algumas de suas funções mais prováveis possíveis.

Pistas fálicas da arte e literatura romana

O objeto esculpido, que tem 160 milímetros de comprimento, poderia ter sido usado como uma ferramenta sexual, não necessariamente para penetração, mas mais provavelmente para estimulação do clitóris, escreveram os pesquisadores. Se o achado arqueológico for de fato um brinquedo sexual, ele representa o único exemplo conhecido de um falo de madeira “não miniaturizado” da época romana, de acordo com o estudo.

“Pode muito bem ser um objeto sexual e, se for, é o primeiro exemplo do mundo romano”, disse à CNN o coautor do estudo Rob Collins, professor sênior de arqueologia na Universidade de Newcastle, no Reino Unido.

“Não devemos nos surpreender com isso. Sabemos pela arte e literatura romanas que eles usavam vibradores, que eles existiam. Mas ainda não encontramos nenhum exemplo arqueológico”, acrescentou.

Uma das razões pelas quais esses objetos não são comuns em achados arqueológicos é porque os dildos eram mais propensos a serem feitos de materiais orgânicos e, portanto, não sobrevivem rotineiramente, de acordo com o estudo.

No entanto, se o artefato for uma ferramenta sexual, nem sempre pode ter sido usado exclusivamente como um brinquedo sexual para o prazer.

O objeto poderia ter sido usado por um proprietário de escravos em uma pessoa escravizada, seja homem ou mulher, para tortura ou para afirmar domínio, reforçando desequilíbrios de poder, de acordo com o estudo.

“Então, a outra coisa que temos que estar cientes é que seria fácil entender tal objeto como bobo e frívolo e apenas sobre gratificação sexual, mas poderia ser uma ferramenta para perpetuar o desequilíbrio de poder e a subjugação”, disse Collins.

O objeto tinha 16 cm de comprimento / Vindolanda Trust

Outros usos possíveis

Objetos fálicos pequenos e portáteis eram comumente encontrados como pingentes, provavelmente para evitar o mal ou a má sorte, de acordo com o estudo.

No entanto, o objeto, esculpido em madeira roliça de freixo jovem, com base larga e ponta estreita, apresentava maior desgaste em ambas as extremidades do que no meio. O objeto sendo mais liso em ambas as extremidades do que no meio – provavelmente devido à oleosidade da pele e ao aperto repetido – sugere que essas áreas tiveram mais contato.

Portanto, o falo poderia ter sido encaixado em uma estrutura, estátua ou outro objeto, onde era tocado pelos transeuntes para dar sorte ou para se proteger do infortúnio. Este ritual era comum em todo o Império Romano, de acordo com o comunicado.

No entanto, quando o falo romano foi comparado a um objeto de falo de madeira do Novo Reino do Egito, descobriu-se que faltavam algumas das características que se esperaria que tivesse se fosse montado em uma estrutura.

Outro possível uso do objeto seria como pilão para moer ou misturar materiais para cozinhar, cosméticos, pomadas ou remédios, segundo o estudo. Um pilão em forma de falo poderia simbolicamente adicionar proteção ou potência ao que quer que estivesse sendo preparado, com o ato de moer sendo o veículo através do qual se acreditava que a magia era ativada, escreveram os pesquisadores.

O objeto pode ter servido a múltiplos propósitos, ou sua função pode ter mudado ao longo do tempo, de acordo com Collins, que disse ser possível que o objeto tenha começado como um pilão, por exemplo, antes de ser usado como objeto sexual.

Encontrar exemplos semelhantes na arqueologia pode ajudar os pesquisadores a identificar melhor a função do objeto, disse Collins, que espera que o estudo estimule uma revisitação de objetos que estão atualmente em coleções de museus que podem ser semelhantes ao falo de madeira, mas não foram reconhecidos como tal.

“O falo de madeira pode muito bem ser o único em sua sobrevivência desde essa época, mas é improvável que tenha sido o único de seu tipo usado no local, ao longo da fronteira ou mesmo na Grã-Bretanha romana”, acrescentou Barbara Birley, curadora. no Vindolanda Trust, no lançamento.



Fonte